Atelier Cristobal

Arquitectura Auto-suficiente

Stacks Image 70

Casa Passiva, um padrão de construção

Casa Passiva é um standard energético na actual construção de habitação sustentável.

O conceito de Casa Passiva é um padrão de construção de baixa energia que tem sido constantemente aperfeiçoado. Um bom planeamento e a implementação cuidadosa de detalhes são essenciais.
O elevado nível de conservação permite que por exemplo,não seja necessário o recurso a um sistema central de aquecimento.

Uma Casa Passiva não necessita mais do que 1.5m3 de gás natural (o equivalente a 15Kwh) por ano por cada metro quadrado de espaço habitado.
Estas necessidades termicas podem ser cobertas sem recorrer a um sistema centralizado de aquecimento, apenas com o pré-aquecimento do ar novo de ventilação.

As casas passivas não são diferentes dos edifícios convencionais, porque o termo "casa passiva", descreve um método de construção de um padrão específico e não um estilo de arquitectura.

Utilização simples

As casas passivas não exigem nada fora do comum de seus ocupantes.
Pelo contrário, por sua própria concepção ela oferece um ambiente sempre agradável e uniforme no interior. Não há necessidade de se preocupar com arejar os quartos. E tudo isto sem a necessidade de tecnologia complicada.

Ventilação mecanica ? E posso abrir as janelas?

Claro que sim! Mas não é necessário. Ventilação tradicional através de janelas requer constante atenção e intervenção por parte dos ocupantes. Devido ao contínuo desenvolvimento de odores e humidade (por exemplo, a partir de toalhas, plantas, roupas molhadas, etc), as janelas devem ser abertas e fechadas regularmente, mesmo à noite e durante ausências. Isso simplesmente não acontece, é um facto de que a maioria das casas não são suficientemente ventiladas.
Em uma casa passiva é diferente. O sistema de ventilação fornece constantemente uma boa qualidade do ar interior, que extrai automaticamente a humidade e melhora claramente o conforto. Sem correntes de ar, sem cantos frios na casa, e principelmente com ar fresco sempre disponível.
Filtros finos impedem a entrada de poeira, pólen e outras particulas - uma vantagem inestimável para as pessoas que sofrem de alergias.
As janelas podem ser abertas, por exemplo, para deixar entrar o ar fresco nas noites quentes de verão.

As principais soluções da Casa Passiva

Nivel de Isolamento térmico elevado, acima dos valores RCCTE.
Caixilharia bem isolada com vidros de baixa emissividade.
Anulação de pontes térmicas
Envolvente cuidada, hermética.
Ventilação confortável com recuperação de calor.
Orientação principal Sul (desvio 30º)
Bom sombreamento móvel exterior.
Inércia térmica eficaz de modo a reduzir oscilações de temperatura a menos de 2°C, principalmente para construção leve.
Uso de cave ou espaço semi-enterrado, como dissipador de calor, apenas com isolamento periférico.
Uso de ventilação nocturna durante a estação de arrefecimento.

Consumo anual de aquecimento ambiente entre 10 e 15 Kwh/ m2
Consumo anual de arrefecimento ambiente inferior a 2 Kwh/m2

Adaptaçao ao clima local

O conceito de casa passiva pode ser implementada em qualquer parte da Europa, a abordagem geral é basicamente a mesma. Dependendo do clima local, os requisitos de qualidade dos componentes individuais pode variar.
Nos climas mais quentes, o foco adicional vai incidir sobre medidas de arrefecimento passivo, como o sombreamento e a ventilação nocturna, para garantir o conforto no verão. As características individuais de qualquer casa passiva são optimizadas para as condições locais.

Porque é que os edificios devem ser herméticos?

Uma casa não tem necessidade de respirar?

A Infiltração de ar através de fissuras e juntas - ou correntes de ar - não é forma mais fiável de garantir a qualidade do ar interior.
É, portanto, essencial para ventilar o edifício tradicional, abrir as janelas.
Na casa passivo, um sistema de ventilação de ar fresco proporciona conforto suficiente para todos os quartos e transporta o ar usado para o exterior.
A envolvente hermética do edifício evita que o ar interior húmido passe para o exterior através das pequenas fissuras das paredes e coberturas.
As pequenas-fissuras permitem que o ar interior arrefeça no interior da envolvente, fazendo a humidade desse ar condensar, degradando a envolvente através de humidades e bolores.
Isso não acontece numa casa passiva.
Stacks Image 186

O que tem de passivo numa casa passiva?

O sistema de aquecimento. A casa passiva não precisa ser aquecida activamente, porque utiliza essencialmente os ganhos de calor passivo para aquecer o seu ambiente interior. Dessa forma, apenas uma quantidade mínima de calor adicional precisa ser fornecido. Este conceito baseia-se num excelente isolante térmico e num sistema de recuperação de calor altamente eficiente. O calor fica dentro e não precisa ser fornecido por um sistema activo.

O princípio "passivo" é bem conhecido em engenharia, é uma estratégia eficaz de forma segura, confiável e eficiente de atingir um objectivo. "Segurança passiva", "filtros passivos", "reflexão passiva" e "casas passivas" são exemplos da bem sucedida implementação deste princípio.

Claro, todas essas aplicações técnicas não são exclusivamente "passivo" no sentido próprio do termo; a intervenção menor é inevitável para dirigir os respectivos processos para o curso desejado. Não se trata de "deixar acontecer", mas sim sobre os processos de controle de tal forma que um determinado objectivo seja alcançado com o mínimo esforço, como se estivesse acontecendo tudo por si só.
Stacks Image 184

Biblioteca de elementos constructivos - Custo / Conductancia / Inércia Térmica

Stacks Image 190
Stacks Image 194

Projecto de Arquitectura com recurso a biblioteca BIM - (Building Inteligent Modeling)

A tecnologia usada na concepção de projectos, evoluiu drásticamente durante os ultimos 25 anos. Desde a época do desenho em papel com régua T, até hoje, existiram dois grandes momentos no desenvolvimento de projectos de arquitectura:

1- Anos 80-90 : A banalização dos sistemas CAD 2D. O desenho continua a ser executado por linhas, e a grande novidade será o uso de símbolos 2D que representam os vários elementos que se repetem num mesmo edificio. Ainda não existe sincronia entre plantas e os cortes/alçados. Todas as alterações ao projecto são demoradas.

2- Anos 2000 : A introdução dos sistemas BIM CAD 3D com recurso a base de dados, e elementos constructivos como lajes, paredes, coberturas, escadas, pilares, conexões, tubagens etc. Cada um destes elementos subdivididos em lâminas ou sub-grupos. São elementos paramétricos, ou seja, na prática, se por exemplo necessitar de alterar todas as paredes internas de uma zona de edificio, bastará alterar numericamente o elemento matriz usado nessas paredes, e todos os desenhos e referencias ficarão actualizados em conformidade.

Ao trabalhar de raiz, desde o primeiro esboço, com elementos 3D (realidade construida), elementos estes que representam as soluções constructivas escolhidas, permite-nos ir mais longe na escolha e seleção das melhores opções constructivas. Desta forma minimizamos as surpresas orçamentais quando já é tarde demais, quando o projecto já está na fase de projecto de execução.
Também desta forma mantemos desde o inicio, o control do nivel de consumo energético e de conforto térmico do projecto, analisando o custo / beneficio de determinados equipamentos (Aquecimento central, condicionamento ambiente, consumo electrico para iluminação), e soluções constructivas da envolvente.
Cada elemento 3D contem em si, os dados técnicos que o definem, (custo, inercia termica, transmitancia termica, coef. acustico, coef.Fogo, etc) que permitem a actualização através de relatórios detalhados, baseados na medição total de todos os elementos.
Stacks Image 740
Stacks Image 750